Terça, 03 Novembro 2015 21:12

Soltando o Bode

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

E quando as coisas não vão bem, lá vamos nós colocar o nosso bode em ação... A velha lamúria do bode expiatório. Sim, lamúria, pois não tenho outra palavra. Venho fazendo uma reflexão sobre isso e vejo que não é diferente nem comigo, nem com ninguém.

Muitos detalhes da nossa vida poderiam ser corrigidos se soltássemos esse bode que criamos no fundo de nossas almas para usá-lo quando as coisas não acontecem de forma positiva - ou seja, como queríamos que saíssem. Você se identificou. Sei disso, mas vou explicar melhor.

Temos o bode guardado para um momento especial, o de livrar-nos da culpa e da condenação

Assim como as pessoas acreditavam que o sacerdote, ao impor suas mãos sobre o bode, estava colocando o pecado sobre ele e assim elas estavam livres de qualquer culpa ou condenação, assim somos eu e você. Temos o bode guardado para um momento especial, o de livrar-nos da culpa e da condenação. Esse bode tem nome, SICAP: sexo, idade, cor, altura e peso. É verdade!

Quando as coisas começam a dar errado, estamos estressados e sem ver uma solução, usamos o bode. Culpamos nossa mãe que no passado nos maltratou, o pai que nos bateu com a fivela do cinto, a perseguição na escola, os óculos fundo de garrafa, o excesso de peso, a magreza, a feiura, a beleza, a pobreza, etc. Tudo isso é bode. Estamos programados para declarar nossa impotência de sermos felizes e bem realizados por conta do bode que criamos. Veja bem, "criamos".

Então, se nós criamos, vamos usar de uma de nossas prerrogativas e soltar esse bicho de nossas almas, e vamos parar de colocar as nossas desculpas em tudo e em todos. Deu ruim, mas vai dar bom daqui a pouco! Ninguém é culpado de nada. Somos o que desejamos ser. Ninguém pode te impedir, assim como ninguém consegue fazer com que você seja dizimista fiel. Ei, pera aí, nesse ponto você é fiel! Então seja fiel a você mesmo e solte esse bicho que te serve de desculpa para suas derrotas. Errou, conserte. Caiu, levante-se. Rasgos, costure-os. Foi reprovado, faça a prova novamente. Não acertou no(a) namorado(a), outros(as) virão... Virão se não houver um bode que relate que ninguém presta!

A cultura do bode está viva na igreja. Existe ainda muita gente se preocupando com tudo que não é Cristo e perdem seu tempo precioso de crescimento.

Solte o bode.

Lido 371 vezes Última modificação em Terça, 03 Novembro 2015 21:30